Ginecologia e Obstetrícia

Quando optar pela cirurgia de ovário policístico?

Por novembro 20, 2018 Nenhum comentário
ovario policístico

A síndrome do ovário policístico (SOP) é um distúrbio em que a mulher tem dificuldades em estabelecer a ovulação, o que acaba gerando o acúmulo de pequenos cistos (chamados de folículos) no ovário. Em média, ele chega a atingir 20% das mulheres em sua fase reprodutiva.

Diferentemente do que muitas pessoas pensam, a presença de cistos no ovário é algo muito comum. Porém, o normal é surgirem durante o processo de ovulação e desaparecerem a cada ciclo menstrual. Esses cistos que aparecem e desaparecem são chamados de cistos funcionais. No caso da SOP, os folículos que deveriam gerar um folículo dominante, para então gerar a ovulação, ficam parados. E na ultrassonografia aparecem como múltiplos pequenos cistos no ovário, daí o nome ovário poli-cístico.

Por ser uma doença metabólica e endocrinológica, o tratamento da SOP raramente é cirúrgica. Para a grande maioria das pacientes o tratamento mais indicado é o medicamentoso, seja para controlar os sintomas hormonais, para regularizar a menstruação, ou para melhorar a fertilidade.

Quando a cirurgia de ovário policístico é indicada?

A cirurgia de ovário policístico costuma ser indicada somente como última opção, e especificamente para pacientes com infertilidade em que outras alternativas de tratamento não foram eficazes.

Quando essas primeiras formas de tratamento não geram resultados, os hormônios masculinos continuam sendo produzidos e fazem com que determinadas características se sobressaiam, como a presença de pêlos. Além disso, com a ovulação inadequada, a gestação espontânea torna-se muito menos provável.

Pacientes com SOP e infertilidade geralmente recorrem a tratamentos como relação sexual programada, inseminação intra-uterina ou fertilização in vitro. Mas esses tratamentos nem sempre dão resultado, e em pacientes com SOP existe um risco aumentado para uma complicação chamada de Síndrome da Hiperestimulação Ovariana.

A cirurgia para SOP tem como objetivo principal tentar restabelecer a ovulação, por um período limitado (geralmente 6 a 9 meses), mas que seja suficiente para o casal engravidar espontaneamente.

Para isso, é importante que o casal seja investigado, e descartado outros fatores de infertilidade, tal como alteração grave do sêmen ou obstrução das tubas uterinas.

A cirurgia pode ser muito bem indicada também se houver necessidade de tratamento cirúrgico para outros fatores em conjunto, como miomas uterinos e endometriose.

Como é realizado o tratamento cirúrgico?

A cirurgia de ovário policístico é realizada através de uma videolaparoscopia, que é uma técnica pouco invasiva em que um tubo iluminado de aproximadamente 5mm é inserido na parte inferior do abdômen.

Essa laparoscopia realizada com o apoio de vídeo pode ser utilizada tanto para obter a comprovação da doença, porque possibilita a visualização dos ovários, útero, tubas uterinas e cavidade peritoneal, quanto a remoção das lesões císticas.

  • Drilling ovariano: Através de um bisturi elétrico, os folículos (micro-cistos) dos ovários são perfurados e cauterizados. Isso se mostrou eficaz para muitas pacientes ao reduzir a resistência hormonal ovariana, e permitir que muitas das pacientes passassem a ovular espontaneamente por cerca de 9 meses.

Esse procedimento pode então melhorar o fator de ovulação dessas pacientes por um período que deve ser o suficiente para obter uma gestação espontânea. Mas é importante lembrar que após cerca de 1 ano da cirurgia os sintomas de SOP como falta de ovulação podem retornar.

O que é ovário policístico e quais são seus sintomas?

O ovário policístico é um distúrbio hormonal que leva ao surgimento de pequenos cistos, fazendo com que o órgão aumente de tamanho e a ovulação seja comprometida.

Muitas pessoas confundem essa situação com os cistos que normalmente surgem durante a ovulação e desaparecem com a menstruação. Portadoras da doença costumam não formar esses cistos, mas sim essas pequenas bolinhas que, por não serem diluídas, levam à modificação na estrutura do ovário.

Dentre os sintomas mais preocupantes, destacam-se o ciclo menstrual irregular e, consequentemente, a dificuldade em engravidar.

A síndrome costuma promover, ainda, um aumento da produção de hormônio masculino, levando a alterações como:

  • Surgimento de pelos em locais como barriga, mamas e face;
  • Aumento na oleosidade da pele e, consequentemente, de acne;
  • Queda de cabelo;
  • Aparecimento de manchas cutâneas.

Antes de indicar a cirurgia de ovário policístico, porém, o médico deverá recomendar outros tipos de tratamento, dependendo dos sintomas que estão incomodando a mulher.

No caso, as terapias mais comuns são:

  • Uso de anticoncepcionais, eles minimizam os sintomas, regulam a menstruação e reduzem o aparecimento de cistos a cada novo ciclo;
  • Realizar a indução da ovulação, para aumentar a fertilidade e, assim, elevar as chances de uma gravidez;
  • Promover mudanças no estilo de vida, principalmente quanto à alimentação e o sedentarismo.

Caso a mulher perceba um ou mais dos sintomas, é fundamental buscar a ajuda profissional para que ele indique o melhor tratamento para conter o avanço da doença.

Junto a isso, é fundamental seguir rigorosamente as orientações para, assim, voltar a ter qualidade de vida.

Dr. Tomyo Arazawa

Dr. Tomyo Arazawa

Me formei em Medicina na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Após a faculdade, fiz Residência Médica e especialização e Ginecologia e Obstetrícia no Hospital das Clínicas da FMUSP. Fui Médico Preceptor (chefe dos residentes) da Disciplina de Ginecologia da FMUSP logo após o término da residência médica. Me especializei em cirurgias minimamente invasivas, tais como cirurgias laparoscópicas, histeroscópicas e cirurgias robóticas. Atualmente é através dessas técnicas que ofereço tratamentos cirúrgicos complexos e avançados para minhas pacientes.

1
×
Olá! Como a Alira pode te ajudar?