Ginecologia e Obstetrícia

O que você precisa saber sobre anticoncepcional na adolescência

Por fevereiro 20, 2018 Nenhum comentário
anticoncepcional na adolescência

A adolescência é um período de muitas mudanças e novas experiências. É nesta fase, compreendida entre os 11 e os 19 anos, que ocorre a transição da infância à vida adulta. Com ela, inicia-se todo um processo psíquico e biológico de rápido desenvolvimento do corpo, da mente, das ideias, visões e comportamentos.

É na adolescência, também, que os hormônios se tornam os grandes protagonistas, proporcionando transformações na aparência e, principalmente, levando às descobertas sexuais.

Com todas essas alterações, começam a surgir dúvidas quanto aos métodos contraceptivos, especialmente sobre o uso de anticoncepcional na adolescência.

Em primeiro lugar, é importante consultar um ginecologista para receber todo o suporte no sentido de evitar tanto doenças sexualmente transmissíveis quanto uma gravidez indesejada.

No entanto, como informar-se não faz mal a ninguém, abaixo, você encontra alguns aspectos interessantes sobre a utilização de anticoncepcional na adolescência.

A adolescência e a necessidade de orientação

As meninas, quando chegam à essa fase, começam a ganhar traços de mulher, principalmente após a primeira menstruação. Além das mudanças físicas, que são nítidas, elas iniciam o processo de amadurecimento e os desejos sexuais afloram.

A família possui um papel importante na construção do conhecimento dos jovens sobre esse assunto, justamente porque o tema sexo ainda é considerado um tabu, especialmente durante a adolescência.

Seja por aspectos culturais, religiosos, por puro constrangimento ou ainda por acharem erroneamente que falar sobre sexo pode ser um estímulo ao ato, muitos pais e mães ignoram essa responsabilidade. Com isso, os filhos acabam iniciando a vida sexual sem a orientação adequada. Dessa forma, os riscos de contrair DSTs e de uma gestação precoce aumentam muito.

O uso de anticoncepcional na adolescência

Dentre as diversas dúvidas que surgem na adolescência, o uso da pílula anticoncepcional é uma das mais comuns. Muitas jovens se perguntam sobre sua finalidade, segurança, eficácia e, principalmente, se ela pode trazer alguma consequência a longo prazo.

Primeiro, é importante entender o que é, de fato, o contraceptivo hormonal. Esse medicamento combina hormônios orgânicos e sintéticos que agem evitando a ovulação. Portanto, sua tarefa é impedir a fecundação.

Há diversas variações do fármaco, misturando diferentes hormônios e dosagens, e todas costumam ser bem toleradas pelo organismo feminino. Dos comprimidos orais, algumas cartelas possuem 21 comprimidos e outras, 24, e é necessário realizar uma pausa até completar o 28º dia, quando geralmente ocorre a menstruação.

Mas não se preocupe! Durante esse período, a pílula segue funcionando para fins de prevenção da gravidez.

As versões mais antigas dos anticoncepcionais, que continham em sua fórmula outros tipos de hormônios e em concentrações mais elevadas, traziam muitos efeitos colaterais. Porém, com o avanço da medicina, os contraceptivos orais disponíveis atualmente reduziram muito essas preocupações. Além disso, eles passaram a oferecer outros benefícios às mulheres, como melhora da TPM, cólicas, diminuição do sangramento e eventualmente melhora da acne

anticoncepcional na adolescência

A maioria das adolescentes preferem e têm boa adaptação com o método por via oral. Contudo, ao invés dele, o médico pode indicar adesivo transdérmico, injeção, anel vaginal, implante subdérmico e em casos selecionados até dispositivo intra-uterino (DIU); sendo que este último era muito controverso na literatura médica no passado para as adolescentes, mas hoje em dia dependendo do tamanho do útero e quando bem indicado pelo médico pode ser uma excelente alternativa.

Seja qual for o método, é importante lembrar que nenhum deles protege contra doenças sexualmente transmissíveis, por isso o uso da camisinha (masculina ou feminina) é indispensável em todas as relação do começo ao fim! Nada de colocar só no final da relação hein!

Prós e contras de se tomar anticoncepcional na adolescência

Antes de qualquer coisa, é fundamental desmentir o mito de que o uso de anticoncepcional na adolescência pode levar à infertilidade. É justamente o contrário! Tanto que o medicamento é utilizado para tratar a endometriose, doença que pode prejudicar a capacidade de engravidar.

Além da função de contracepção, ela pode trazer diversos benefícios, como reduzir o fluxo menstrual e a cólica e organizar o ciclo, visto que nos primeiros meses muitas jovens sofrem com a irregularidade da menstruação.

Outro ponto positivo do uso de anticoncepcional na adolescência diz respeito a problemas de pele. Seus hormônios ajudam a diminuir a oleosidade cutânea e, consequentemente, podem contribuir para a melhora das temidas espinhas, tão tradicionais nessa idade.

O medicamento é muito utilizado para tratar a síndrome do ovário policístico (SOP), um distúrbio hormonal muito comum nesta fase da vida que provoca a formação de cistos nos ovários e pode alterar o ciclo menstrual.

Como dissemos anteriormente, a pílula também é bastante eficaz no controle da endometriose, já que bloqueia a produção excessiva de estrogênio, o grande estimulador do crescimento do endométrio (que é o que origina os sintomas da doença).

E atenção!

É importante frisar que, antes de qualquer decisão, é imprescindível procurar um ginecologista. Só ele poderá avaliar os antecedentes e o perfil da jovem para indicar o melhor medicamento em cada caso sem ocasionar riscos. Comprar e tomar a pílula sem a orientação de um profissional coloca seu bem-estar em risco.

Guia da Mulher Adulta Download Powered by Rock Convert
Lilian Fiorelli

Lilian Fiorelli

Formada pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Fez residência médica em Ginecologia e Obstetrícia no Hospital das Clínicas da FMUSP, onde também se especializou em Uroginecologia e Sexualidade Humana.

1
Olá! Posso te ajudar com alguma dúvida sobre agendamento de consultas?
Powered by