Ginecologia e ObstetríciaNutriçãoSexualidade

Alimentos afrodisíacos existem? Entenda.

alimentos afrodisíacos

Quando se fala em alimentação e sexo, uma das primeiras coisas que vem à cabeça das pessoas é sobre alimentos afrodisíacos. Quem nunca ouviu falar sobre algum alimento que poderia ajudar em momentos de intimidade?

Existem diversas teorias de que alimentos como Maca Peruana, Tribulus terrestris, Ostras, entre muitos outros, são benéficos para a relação sexual. Mas, será que isso é verdade?

Neste artigo, a Nutricionista Juliana Gropp e a Dra. Lilian Fiorelli, Ginecologista e especialista em sexualidade feminina, esclarecem os mitos e verdade sobre alimentos afrodisíacos e tudo sobre a relação da alimentação e sexo. Confira!

Compreenda a Relação entre alimentação e sexo

É interessante lembrar que a relação entre alimentação e sexualidade é muito mais ampla do que parece. Realmente existe uma associação próxima entre os dois. Por exemplo, é difícil ser romântico quando se está faminto, morrendo de fome.

Por outro lado, quando você conhece alguém e está apaixonado, é comum perder o apetite. Isso porque, nosso corpo produz substâncias estimulantes, como a noradrenalina, que faz com que fiquemos alertas, excitados e pode levar à perda de apetite.

Antes de falar sobre alimentos afrodisíacos, você sabe o que é a sexualidade?

Antes de entender mais como funciona o sexo e como a alimentação pode nos ajudar durante a relação, também é importante termos em mente o que é a sexualidade.

A sexualidade não é somente o sexo. Ela envolve muito muito mais do que a relação sexual em si, mas também fatores como a visão que a mulher tem dela mesmo e do mundo, a forma como se comunica, que lida com o trabalho e com a família, e por fim, mas não menos importante, como é o sexo e o relacionamento com seu parceiro.

Desse modo, o ciclo da vida sexual também aparece como uma forma importante na hora de estudarmos a relação do sexo com a alimentação.

De acordo com o fluxo idealizado pelos pesquisadores Masters e Johnson, o ciclo de relação sexual consiste em: desejo, excitação, orgasmo e resolução.

Saiba mais sobre como chegar ao orgasmo clicando aqui

O desejo é quando a vontade ter a relação (libido) se inicia, e envolve diversas questões psicológicas e emocionais. Nesse sentido, é super importante entender que para aumentar a libido, o trabalho mental é imprescindível.

A libido também pode ser aflorada por estímulos. Órgãos do sentido, olhos (visão), ouvidos (audição), boca e língua (paladar), nariz (olfato), mãos e pele (tato) possuem papel fundamental a fim de alcançar o desejo. Pensando nisso , muitos gatilhos mentais podem ser explorados como beijos, abraços, palavras no ouvido, aromas, visual, e o paladar!

Ou seja, a alimentação está completamente interligada a esses estímulos, quando comemos usamos muitos de nossos sentidos. Se a relação acontece após uma refeição que tenha sido preparada a dois, por exemplo, na qual os sentidos já foram aguçados, essas sensações podem ser ainda maiores.

Depois do desejo sexual, iniciam as alterações no corpo, como alterações hormonais, aumento da frequência cardíaca, a respiração fica mais ofegante, há vasodilatação (pele fica mais rosada), o corpo fica mais quente, a pelve se enche de sangue (o que facilita no homem a ereção) e o que promove a lubrificação da mulher.

Para que o ciclo sexual ocorra de forma adequada, o bom funcionamento de nosso organismo é imprescindível. Assim, nossa saúde deve estar em dia e para isso, a alimentação é uma grande aliada. Por meio dela é possível evitar fatores extremamente prejudiciais para o ciclo sexual, como:

  • Baixos níveis de testosterona
  • Processos inflamatórios
  • Má Circulação
  • Sobrepeso  

A importância da alimentação para a vida sexual

Evolutivamente falando, os seres humanos têm o desejo de ter relações sexuais para se reproduzir, e precisamos ter um peso saudável e uma dieta que forneça os nutrientes certos para isso.

Assim como em todos os aspectos da saúde, é importante que a sua alimentação esteja lhe fazendo bem, para que sua vida sexual também funcione de forma satisfatória.

Outro ponto importante é que, apesar de ainda existirem poucas evidências, alguns estudos vêm mostrando que determinados padrões alimentares podem diminuir o risco de disfunção sexual. Ou seja, não se trata apenas da refeição que antecede a relação, mas de hábitos alimentares que acontecem no cotidiano.

Por isso, se o intuito é aumentar o desejo e o prazer, a relação entre alimentação e sexo vai além do consumo dos famosos alimentos afrodisíacos.

Outros estudos vêm sendo feitos na tentativa de identificar quais seriam os fatores de estilo de vida que poderiam influenciar a vida sexual das pessoas.

Até agora, nós tivemos alguns resultados que já mostram um pouco do caminho que deve ser traçado para melhorar a vida sexual. Abaixo, selecionamos quais são eles:

Como os alimentos podem influenciar nos níveis de testosterona

Já se sabe, por exemplo, que processos inflamatórios no organismo podem reduzir os níveis de testosterona, principal hormônio masculino, que também está presente no organismo da mulher, em menor quantidade.

A testosterona aumenta a libido, fazendo a mulher sentir mais desejo pela relação sexual. Dessa forma, muitas mulheres que têm a redução de testosterona apresentam queda na libido, na excitação e na função sexual, principalmente durante a menopausa.

Se a alimentação pode ajudar a controlar a inflamação, talvez ela também ajude a melhorar os níveis de testosterona.

Alimentos que ajudam a controlar a inflamação

Os alimentos que ajudam a controlar a inflamação são aqueles ricos em antioxidantes, como as frutas, verduras, leguminosas, cereais integrais, peixes, laticínios magros, oleaginosas e sementes.

Ou seja, garantindo uma ingestão adequada desses alimentos, existe uma chance maior de atenuar a resposta inflamatória, o que é benéfico para diversas outras doenças.

Alguns trabalhos foram feitos relacionando a adesão à dieta mediterrânea, que possui esse padrão, e disfunção erétil. Foi verificado que homens que apresentavam hábitos alimentares com mais características da dieta mediterrânea, possuíam menos disfunção.

Alimentos que podem causar inflamação

Por outro lado, existem alimentos que podem colaborar para o aumento da inflamação. Os principais exemplos seriam os alimentos ultra processados – biscoitos, salgadinhos, congelados, sorvetes, macarrão instantâneo, entre outros.

Esses alimentos compostos por muitos ingredientes que não se assemelham à comida (aditivos alimentares), são normalmente ricos em gorduras trans e outras gorduras com potencial inflamatório, além de açúcar e sal.

Por isso, mais uma vez a recomendação é de dar preferência a alimentos caseiros e menos processados.

nutricionistajulianagropp Powered by Rock Convert

A importância da circulação para a saúde sexual

Para garantir uma boa saúde sexual, é importante manter o sistema circulatório em ordem. Uma boa circulação sanguínea pode levar a uma melhor resposta sexual em homens e mulheres, especialmente na ereção do pênis e na lubrificação da vagina. Ou seja, se é bom para o coração, é bom para a vida sexual da pessoa.

Controle do peso como aliado na melhoria da vida sexual

O excesso de peso também pode ser prejudicial para a vida sexual. Isso porque, o acúmulo de gordura na região abdominal pode causar aumento da insulina e propiciar o surgimento de inflamações. E já se sabe que a redução de peso pode melhorar a libido, não só por questões estéticas, mas por ajudar no controle hormonal.

Benefícios da Atividade física

Um fator que colabora para a redução do peso e do processo inflamatório é a prática de atividade física. Isso extrapola o assunto alimentação, mas pensando num estilo de vida saudável é muito interessante dizer que os estudos mostram que a prática de atividade física reduz disfunções sexuais femininas e masculinas num efeito dose dependente. Quanto mais atividade física, menor a chance de se desenvolver disfunções. Talvez isso ocorra também pelo aumento da testosterona, além da liberação de endorfinas que causam a sensação de bem estar.

E ter uma vida sedentária pode ser um importante fator de risco para disfunções femininas e masculinas. Além disso, a atividade física proporciona melhorias na circulação do corpo no geral, e quando isso acontece, também há melhorias na excitação.

Outro exercício muito benéfico é o exercício pélvico, que proporciona inúmeros benefícios e deve fazer parte do dia a dia da mulher.

Café e álcool

Outros hábitos que foram estudados em associação a disfunções sexuais, foram o consumo de cafeína e de álcool.

O café parece não ter efeito no desenvolvimento de disfunções sexuais, tanto femininas quanto masculinas.

O álcool, no entanto, apresenta uma associação em curva. O consumo moderado pode reduzir disfunção erétil, mas se o consumo for alto, pode prejudicar. Considera-se moderada a ingestão de 1 a 2 doses de álcool. Acima disso, já é consumo elevado.

Não se observa o mesmo efeito na sexualidade feminina. Aparentemente, a ingestão de álcool não reduz, mas também não aumenta disfunções. O consumo de álcool também pode levar a certo grau de desidratação que pode diminuir a lubrificação vaginal.

Mitos e verdades sobre os Alimentos Afrodisíacos

Mas, afinal, os alimentos afrodisíacos existem ou não? O termo afrodisíaco vem do nome da deusa Afrodite, divindade grega que representava o amor. Em seu sentido figurado, os alimentos afrodisíacos proporcionam a excitação

ou restabelece os desejos sexuais; Abaixo, vamos falar sobre os mitos e verdades que envolve os alimentos e plantas considerados afrodisíacos.  

Romã

Por causa da grande quantidade de sementes, a romã era associada à fertilidade na antiguidade. Ela tem um forte poder antioxidante e pode ter benefícios cardiovasculares, o que é muito positivo na sexualidade. Mas não se pode afirmar que é afrodisíaca.

Ostras

As ostras são ricas em magnésio, o que poderia explicar a sua atribuição afrodisíaca. Os níveis de magnésio parecem estar ligados aos níveis de testosterona. A deficiência de magnésio pode aumentar inflamação, por isso, é importante manter uma ingestão adequada deste mineral. Baixos níveis de magnésio estão associados a ejaculação precoce.

Contudo, o magnésio pode ser encontrado em maior quantidade em outros alimentos como: sementes de abóbora, espinafre e quiabo.

Tamarindo

É utilizado principalmente na África e Índia como afrodisíaco. Extrato aquoso de Tamarindo tem atividade afrodisíaca e espermatogênica.

Ovo de codorna

O ovo de codorna, conhecido estimulante sexual, possui nutrientes que ajudam na formação hormonal, porém não apresenta características nutricionais que comprovem estímulos na sexualidade. Assim como os coelhos, a ave codorna é conhecida por se reproduzir em um curto espaço de tempo e, segundo a lenda popular, seus ovos podem transmitir esta potência para os humanos.  Mas essa crença do ovo de codorna na melhora da sexualidade é Mito.

Melancia

A melancia contém uma alta concentração de L-citrulina, especialmente na parte branca. Esse aminoácido é precursor da arginina que aumenta a formação de óxido nítrico e facilita a vasodilatação. Vasodilatação é muito importante na saúde sexual, tanto do homem, quanto da mulher.

Leguminosas, sementes e oleaginosas – grão de bico, amendoim e castanha de caju

São fontes de magnésio, folato e zinco. A deficiência de zinco pode ocasionar hipogonadismo. Estudos em ratos comprovaram o efeito afrodisíaco do zinco. Mas, nem sempre é necessário suplementar, basta consumir quantidades adequadas. Alimentos ricos em folato, zinco e antioxidantes melhoram fertilidade.

Pimenta

Há muito tempo se fala em suas propriedades em aumentar prazer sexual, porém os estudos não comprovam essa teoria. Pelo contrário, já houve um estudo que mostrou redução do desejo sexual em ratos. A capsaicina é utilizada como analgésico, mas parece não ter benefícios na função sexual.

Temperos como: canela, coentro, manjericão, cardamomo, alho

Também tem efeitos na saúde cardiovascular, propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias, mas não há comprovação de seus efeitos na função sexual.

Chocolate

Há muito tempo, o chocolate é considerado um dos alimentos afrodisíacos. A igreja tentou até proibi-lo na Europa no século XVII, pois acreditava-se que ele aumentava a libido. O cacau é rico em antioxidantes poderosos e pode aumentar os níveis de serotonina, o que colabora para a sensação de bem estar e talvez possa explicar sua fama. Mas os estudos não conseguiram comprovar que ele tenha esse efeito afrodisíaco.

Algumas plantas medicinais também foram associadas à melhora da saúde sexual. Veja quais são elas:

Ginseng coreano – Panax ginseng

É utilizado com muitas finalidades, pois é adaptógeno, melhora disposição e reduz estresse. Possui quantidade maior de estudos relacionados à sexualidade, principalmente em homens. Atua também na vasodilatação e na liberação de óxido nítrico. Mas existem diversas contraindicações e seu uso não deve ser feito sem acompanhamento de médico ou nutricionista qualificado.

Tribulus terrestris

Recentemente passou a ser muito utilizado, pois se acreditava que tinha o poder de aumentar níveis de testosterona. Os estudos mostraram que isso não acontece, mas apesar deste fato, o tribulus pode ajudar na saúde sexual por outros mecanismos, como o aumento da liberação de óxido nítrico, além de apresentar papel anti-inflamatório e modular hormônios. Foi estudado para melhorar libido após menopausa. Também deve ser usado com acompanhamento profissional, pois pode causar hepato e nefrotoxicidade.

Maca peruana – Lepidium meyenii

A maca tem origem nos Andes e era utilizada pelos povos antigos como alimento para os animais, com o objetivo de aumentar a procriação. Ela é planta uma crucífera, mas a parte utilizada como afrodisíaca é a raiz. Estudos animais mostraram aumento na libido e na função erétil, e alguns estudos em humanos demonstraram resultados promissores. É um alimento seguro, porém a dosagem para esse fim ainda precisa ser definida.

Vitamina D

A Vitamina D é um hormônio esteroide e auxilia na síntese de hormônios sexuais: estrogênio, progesterona e testosterona. Podemos encontrar a Vitamina D em alimentos como salmão, sardinha, atum, iogurte, cogumelo.

 

Neste artigo, apresentamos a vocês os principais aspectos que envolvem a alimentação e o sexo. Falamos sobre como a sexualidade funciona, quais são os impactos que os alimentos proporcionam ao organismo para que o ciclo sexual funcione adequadamente, e também falamos sobre os mitos e verdades a cercas do famosos alimentos afrodisíacos.

Caso queira saber mais sobre o assunto, entender mais sobre a saúde feminina e nutrição, acesse nossa Central Educativa pois disponibilizamos diversos assuntos sobre o assunto.

 

Guia da Mulher Adulta Download Powered by Rock Convert
Powered by Rock Convert
1
Olá! Posso te ajudar com alguma dúvida sobre agendamento de consultas?
Powered by