EndometrioseGinecologia e Obstetrícia

Tenho endometriose. Posso engravidar?

endometriose posso engravidar

É possível engravidar tendo o diagnóstico de endometriose?

Esta é a pergunta que aflige a maioria das mulheres que querem engravidar e são diagnosticadas com a doença.

A preocupação tem fundamento já que a doença aparece como grande vilã, sendo a maior causa de infertilidade feminina: mais de seis milhões de brasileiras na faixa etária de 20 a 40 anos são diagnosticadas com a doença, de acordo com a Sociedade Brasileira de Endometriose (SBE). Porém, com o diagnóstico precoce e tratamento adequado, é possível realizar o sonho da maternidade, mesmo após a doença detectada.

Muitas famosas são prova disso – como a cantora Wanessa Camargo e a triz Adriana Esteves – que conseguiram engravidar e ressaltam a importância da prevenção e de visitas periódicas ao ginecologista.

Vale dizer que o Brasil é referência internacional no tratamento e qualidade de vida de pacientes com endometriose. Quando a mulher já tem o diagnóstico de endometriose antes de tentar engravidar, é preciso primeiro avaliar o quanto que esta doença está afetando sua qualidade de vida.

Nos casos mais leves, em que os sintomas de dor e cólicas é considerado suportável pela paciente, é possível manejar os sintomas com analgésicos e aguardar o período de tentativas espontâneas do casal. No caso de insucesso de gestação, ou seja, infertilidade, um tratamento mais específico fica indicado, como a vídeo-laparoscopia ou tratamentos de medicina reprodutiva, dependendo do quadro de cada casal.

Nos casos de endometriose mais avançada, a probabilidade de gravidez espontânea é mais baixa, porém não é nula. Nesses casos, o mesmo raciocínio de casos leves é válido, porém na maioria deles pode ser necessário o tratamento cirúrgico ou tratamentos de medicina reprodutiva, como a Fertilização in Vitro.

Vale a pena ressaltar que tratamentos medicamentosos, como anticoncepcionais, injeções e dispositivos intra-uterinos medicados não mostram impacto significativo na melhora da fertilidade de mulheres com endometriose. Além do que esses métodos são na sua maioria anticoncepcionais, e portanto não são indicados em pacientes que estão tentando engravidar.  

Por que a endometriose prejudica a fertilidade? 

Por três principais motivos:

-Primeiro, porque quando o endométrio começa a crescer em locais como trompas e ovário, há inflamação e por consequência, um processo espontâneo de cicatrização, o que gera mudanças anatômicas que impedem o total funcionamento das trompas, responsáveis pelos primeiros acontecimentos da fecundação.

-Segundo, pelo fato do processo inflamatório poder afetar a qualidade do óvulo e a capacidade do embrião aderir ao útero.

-Terceiro, pela redução da reserva de óvulos da mulher, principalmente quando a endometriose afeta diretamente os ovários, formando os cistos chamados de endometriomas.

O importante é sempre fazer o acompanhamento médico e seguir o tratamento adequado, não apenas para mulheres que desejam engravidar, mas para garantir a qualidade de vida, uma vez que a endometriose é responsável não apenas pela infertilidade, mas também por outros sintomas que podem impactar a qualidade de vida da mulher e do casal.

*Dr. Tomyo Arazawa é ginecologista e obstetra, e especializou-se em cirurgias minimamente invasivas como cirurgias robóticas, video-laparoscópicas e video-histeroscópicas (os quais incluem as cirurgias de endometriose), e em medicina reprodutiva. É membro da Sociedade Paulista de Ginecologia e Obstetrícia (SOGESP), da American Society for Reproductive Medicine (ASRM), da American Association of Gynecologic Laparoscopists (AAGL) e da International Pelvic Pain Society (IPPS).

Powered by Rock Convert
Guia da Mulher Adulta Download Powered by Rock Convert
Dr. Tomyo Arazawa

Dr. Tomyo Arazawa

Me formei em Medicina na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Após a faculdade, fiz Residência Médica e especialização e Ginecologia e Obstetrícia no Hospital das Clínicas da FMUSP. Fui Médico Preceptor (chefe dos residentes) da Disciplina de Ginecologia da FMUSP logo após o término da residência médica. Me especializei em cirurgias minimamente invasivas, tais como cirurgias laparoscópicas, histeroscópicas e cirurgias robóticas. Hoje minha dedicação está voltada a atenção, assistência e estudos a pacientes com dor pélvica e especialmente endometriose.

1
Olá! Posso te ajudar com alguma dúvida sobre agendamento de consultas?
Powered by