Ginecologia e ObstetríciaSexualidade

A importância da sexualidade na gestação

Por fevereiro 21, 2018 Nenhum comentário
sexualidade na gravidez

Durante a gravidez, a mulher experimenta diversas mudanças, seja na aparência, nos níveis hormonais ou na mente. Em meio a isso tudo, o contato íntimo pode se tornar um tabu, já que o casal passa a ter dúvidas sobre até que ponto manter ativa a sexualidade na gestação pode prejudicar ou não o feto.

Apesar dos receios, uma coisa é fato: é importante, sim, conservar a prática de sexo na gravidez. Tanto para a mulher, que vivencia momentos de insegurança, quanto para o homem, é fundamental não eliminar essa relação, pois ela ajuda a preservar a união do casal.

Por que manter o sexo durante a gravidez

Independentemente do período da gestação, especialistas defendem que a abstinência sexual não deve ser o caminho escolhido. Isso porque a atividade auxilia a controlar a ansiedade, a melhorar a autoestima e a diminuir a pressão arterial da futura mamãe.

Além disso, permite manter a “rotina” de casal, mesmo que tudo mude quando o bebê chegar. Este, inclusive, deve ser a maior razão para conservar o sexo na gravidez: reforçar e fortalecer os laços entre esposo e esposa.

Os altos e baixos da sexualidade na gestação

Dentre as transformações que a gestação promove na mulher, a hormonal é a que mais modifica seus hábitos. Ao longo dos nove meses, essas taxas passam por uma verdadeira montanha-russa. Isso afeta diretamente a libido e influencia em sua vontade de preservar uma rotina de sexo na gravidez.

Cada fase pode levar a uma reação diferente da mulher frente ao tema. Claro que existem exceções, até porque o apetite sexual varia de pessoa para pessoa, assim como a intensidade dos incômodos da gestação. Porém, geralmente, segue-se o padrão que apresentamos abaixo.

No primeiro trimestre:

A mulher percebe mais fortemente as alterações no corpo, a região mamária fica mais sensível e, quase sempre, os enjoos são constantes, visto que esse é o momento em que ocorre a implantação do embrião no útero. Nessa etapa, portanto, pode haver redução na excitação e desconfortos com a penetração.

No segundo trimestre:

Já há uma melhora na questão da libido e as mudanças no organismo aumentam a capacidade orgástica. É uma fase que muitas gestantes relatam melhora importante da libido. Porém, como existe a possibilidade de haver contrações uterinas, a gestante pode ficar menos relaxada, o que prejudica a penetração.

No terceiro trimestre:

Além de a tensão sexual se manter intensa, ela pode tornar-se ainda maior devido ao crescimento da pressão pélvica e do fluxo sanguíneo, o que amplia a sensibilidade e os orgasmos. A excitação pode continuar, inclusive, após o ato.

Nesta última fase, porém, surgem alguns incômodos que podem fazer com que a mulher não queira permanecer muito ativa. Como há o aumento do útero, podem aparecer cãibras, azia e fortes contrações, além da elevação do peso, que pode tornar a prática desconfortável.

Quando evitar o sexo na gestação

Antes de tudo, é importante destacar que a dupla sexo e orgasmo não pode ser culpada em casos de aborto ou parto prematuro. O feto fica muito bem protegido no útero e o colo do útero gera uma distância suficiente para permitir o ato sexual com segurança, ou seja, é impossível que o bebê seja atingido pela penetração. Fiquem tranquilos!

Apesar disso, é fundamental que, desde o início da gravidez, a mulher tenha o acompanhamento de um ginecologista, para que ele possa orientá-la em situações atípicas em que a relação sexual possa ser prejudicial. Por exemplo, quando houver:

– sangramento;
– dores abdominais ou cólicas;
– insuficiência no colo do útero sem tratamento;
– colo do útero curto;
– dilatação avançada do colo do útero;
– útero irritável;
– antecedentes de abortos espontâneos;
– placenta baixa ou placenta prévia;
– risco de parto prematuro;
– herpes genital no parceiro ou outras infecções genitais.

É claro que apenas um médico pode determinar se o sexo na gestação deve ser evitado. Por isso, converse com seu obstetra, seja franca e tire todas as dúvidas!

Busque soluções e preserve a sexualidade na gravidez

É fato que o sexo na gravidez ajuda a mulher a relaxar e a conservar a cumplicidade do casal. Assim, é essencial adaptar-se às mudanças e procurar alternativas.

Testando posições mais confortáveis ou descobrindo novas sensações e truques, o que importa é buscar o prazer a dois. Dessa forma, é possível manter a sintonia para que, depois, seja mais fácil retomar a rotina (que será bastante diferente com o novo integrante da família).

Lembre-se de sempre contar com o acompanhamento de um médico ginecologista. E, para o bem de seu bebê, é fundamental que a orientação dada seja acatada, independentemente de qual seja ela.

Guia da Mulher Adulta Download Powered by Rock Convert
Lilian Fiorelli

Lilian Fiorelli

Formada pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Fez residência médica em Ginecologia e Obstetrícia no Hospital das Clínicas da FMUSP, onde também se especializou em Uroginecologia e Sexualidade Humana.

1
Olá! Posso te ajudar com alguma dúvida sobre agendamento de consultas?
Powered by