Nutrição

As diferenças entre alergia e intolerância alimentar

Apesar de alguns dos sintomas serem parecidos, intolerância alimentar e alergia alimentar são situações muito diferentes. Comer um alimento quando se é intolerante, pode trazer um grande mal estar. Porém, se você for realmente alérgico ao alimento ingerido, a reação do seu organismo pode ser muito grave e até fatal.

A principal distinção está na resposta do organismo ao entrar em contato com determinadas substâncias. Na intolerância alimentar, a resposta pode acontecer em qualquer sistema do organismo, enquanto na alergia, é o sistema imune que está envolvido.

Abaixo, falaremos mais sobre cada conceito, destacando suas especificações quanto aos sintomas e alimentos envolvidos. Confira!

Intolerância alimentar

A intolerância alimentar acontece quando a pessoa não é capaz de digerir adequadamente determinado alimento. Isto pode acontecer devido à deficiência de enzimas digestivas, sensibilidade a aditivos alimentares ou reações a compostos químicos naturalmente presentes em alimentos. Muitas vezes, a pessoa intolerante pode comer pequenas quantidades do alimento sem que ocorram grandes problemas.

Alimentos que causam intolerância alimentar

Os principais causadores de intolerância alimentar são:

  • Lactose (leite e seus derivados);
  • Glúten (trigo, centeio, cevada e aveia);
  • Glutamato monossódico (embutidos e carnes processadas);
  • Sulfitos (vinho);
  • Cafeína (café, chá preto e mates, refrigerantes com cola, chocolate);
  • Histamina (cogumelos, picles e embutidos);
  • Álcool;
  • Aditivos alimentares (conservantes, adoçantes, corantes e aromatizantes);
  • Toxinas, vírus e bactérias que tenham contaminado o alimento.

Com o aumento no uso de aditivos pela indústria de alimentos, as intolerâncias alimentares têm se tornado mais frequentes. Além disso, é interessante mencionar a intolerância à lactose, a mais comum entre elas.

Na intolerância à lactose existe a deficiência da enzima lactase, responsável por quebrar o açúcar do leite. Por ser uma enzima muito sensível a qualquer alteração intestinal, é comum que as pessoas apresentam algum grau de intolerância à lactose. Entretanto, grande parte da população pode consumir laticínios sem apresentar sintomas. No caso de intolerância comprovada, hoje em dia, é possível comprar a enzima lactase em farmácias ou optar por produtos sem lactose.

Sintomas

Os sintomas gerados pela intolerância alimentar são variados. Eles podem demorar horas ou dias para se manifestarem, e variam de intensidade conforme o grau de intolerância e a quantidade de alimento ingerido.

Os efeitos mais comuns da intolerância alimentar são:

nutricionistajulianagropp Powered by Rock Convert
  • dores na barriga;
  • inchaço ou distensão abdominal;
  • enjoo;
  • diarreia;
  • dores de cabeça ou enxaqueca;
  • coriza nasal;
  • tosse;
  • urticária.

A única maneira de tratar a intolerância alimentar é evitar a ingestão da substância em questão. Algumas pessoas até conseguem continuar consumindo-a, desde que com cautela. Porém, a maioria precisa modificar o cardápio ou, no caso de intolerância à lactose, prevenir os incômodos através da suplementação com a enzima lactase.

Alergia alimentar

Alergia alimentar é a reação exacerbada do sistema imune a uma determinada proteína presente no alimento. O sistema imune é responsável pela defesa do organismo. Se a pessoa apresenta alergia ao leite de vaca, por exemplo, o sistema imune identifica a proteína do leite como um invasor ou agressor, e reage produzindo anticorpos chamados imunoglobulina E (IgE). Esses anticorpos se deslocam até células específicas e promovem a resposta alérgica, na tentativa de defender o organismo da agressão.

A reação alérgica pode ocorrer imediatamente após a ingestão do alimento e normalmente se inicia na pele, com vermelhidão e urticária. Ao contrário da intolerância alimentar, a alergia pode causar sintomas muito graves, trazendo risco à vida, com a ingestão de apenas quantidades muito pequenas do alimento, ou mesmo quando este é inalado ou tocado.

É mais comum que bebês e crianças pequenas apresentem alergia alimentar. O aparecimento geralmente acontece no primeiro ano de vida, com a introdução de novos alimentos. A boa notícia é que a maior parte das crianças superam a alergia ao leite de vaca, ovo, soja e trigo antes dos 5 anos. Porém, quando se trata de alergia ao amendoim, castanhas, peixe e frutos do mar, ela pode persistir até a idade adulta.

Alimentos que causam alergia alimentar

São oito os principais alimentos que podem causar alergia:

  • leite;
  • ovo;
  • peixe;
  • frutos-do-mar;
  • castanhas;
  • amendoim;
  • trigo;
  • soja.

Sintomas

As reações mais frequentes vinculadas à alergia alimentar são:

  • urticária e vermelhidão na pele;
  • coceira;
  • tosse, falta de ar e dificuldade para respirar;
  • inchaço no rosto, dos lábios ou da língua;
  • diarreia;
  • choque anafilático (em situações mais graves).

A única forma de se tratar a alergia é retirar completamente da dieta o alimento que ocasiona a alergia. Dependendo do grau de alergia, até mesmo traços da proteína podem ocasionar reações, por isso é importante ficar muito atento a rótulos de alimentos e contaminação no momento do preparo.

Recentemente, vem sendo testada uma nova aposta de tratamento chamada de imunoterapia. Ela consiste na administração do alimento alergênico de forma controlada e em doses crescentes, a fim de induzir a tolerância no paciente. Ela ainda não  é amplamente utilizada, mas os resultados são promissores.

Como lidar com as restrições alimentares?

Para gerenciar as restrições no cardápio de forma adequada sem que ocorram deficiências nutricionais, é importante contar com o acompanhamento de um profissional de Nutrição.

De acordo com o diagnóstico médico, através de uma avaliação precisa dos hábitos alimentares do paciente, é possível criar uma dieta específica que forneça os nutrientes necessários, evitando reações e sintomas.

Powered by Rock Convert
Juliana Gropp

Juliana Gropp

Juliana Gropp é nutricionista formada pela Faculdade de Saúde Pública da USP. Especializada em Nutrição nas doenças crônico-degenerativas pelo Hospital Israelita Albert Einstein – Especializada em Nutrição Clínica pelo Hospital Sírio Libanês.

1
Olá! Posso te ajudar com alguma dúvida sobre agendamento de consultas?
Powered by