Ginecologia e ObstetríciaSexualidade

Dor na Relação Sexual: 5 Fatores que Podem Causá-la

dor na relação sexual

Dor é sinônimo de que algo não está funcionando direito. Principalmente em relações sexuais, onde o objetivo é sentir prazer, a presença da dor é um sintoma que sempre deve ser avaliado.

Neste artigo, eu, Dr Tomyo Arazawa, falo sobre as 5 principais causas de dor na relação sexual (também chamado de dispareunia). Para saber mais sobre esse assunto, me acompanhe no Instagram @drtomyo!

Tipos de dor na relação sexual

Podemos dividir a dor na relação sexual em basicamente dois tipos, dependendo da localização da dor:

  • Dor de penetração: quando a dor é sentida na entrada da vagina. Pode ser só no começo da relação sexual ou durante todo o ato.
  • Dor de profundidade: quando a dor é sentida no fundo da vagina. Pode se sentida durante toda a relação sexual, ou somente em algumas posições sexuais específicas.

1- Endometriose

A endometriose é uma doença na qual um tecido parecido com o endométrio (camada interna do útero), aparece e cresce fora do útero. Em casos mais avançados pode comprometer os ovários, trombas, intestino e bexiga.

Essa doença é uma das mais frequentes entre as mulheres. Estima-se que 10 a 15% de todas as mulheres em idade reprodutiva tenham endometriose.

A dor na relação sexual de profundidade é um dos sintomas mais comuns em pacientes com endometriose. Isso ocorre poisa maioria das lesões aparecem no fundo da vagina ou atrás do colo do útero. Durante a relação sexual o pênis encosta nessa região, causando dor. A posição sexual na qual a maioria das mulheres portadoras de endometriose sentem dor é a posição “de quatro”. Isso porque nessa posição a região de trás do colo do útero é mais facilmente atingida quando o pênis penetra profundamente.

Além disso, a dor de penetração também pode ocorrer em muitas mulheres portadoras dessa doença. Geralmente esse tipo de dor aparece após algum tempo após o aparecimento da dor de profundidade. Isso porque a mulher passa a contrair mais a musculatura da vagina de forma involuntária. Essa contração dificulta a penetração e aumenta a sensação de dor.

Aliás, a endometriose é a principal causa de dor pélvica na mulher atualmente. Por isso deve ser sempre considerada como diagnóstico diferencial.

Baixe nosso e-book completo sobre o assunto clicando abaixo: Quero Saber Tudo Sobre Endometriose


2-Falta de Lubrificação

Quando o organismo não produz lubrificação suficiente para preparar a vagina para a relação sexual, a mulher pode sentir muita dor na hora da penetração. Sem a lubrificação, o atrito pode ocasionar microfissuras na mucosa da vagina o que gera a dor na relação sexual. A dor diminui a excitação e a sensação de prazer, o que diminui ainda mais a lubrificação e gera-se um ciclo.

A causa pode estar relacionada desde a problemas ginecológicos mais sérios quanto a situações em que pequenos desequilíbrios na flora vaginal ou hormonal causam a sensação de secura vaginal, ou até mesmo pelo fator psicológico. A falta de lubrificação acontece, com mais frequência, em mulheres mais idosas ou naquelas que não estão muito a fim daquela relação, sejam por estarem tensas ou qualquer outro fator.

Geralmente a falta de lubrificação vaginal causa dor de penetração.


3-Infecção Urinária ou Cistite Podem Causar Dor na Relação Sexual

Ardência, incômodo ou dor durante a relação sexual ou mesmo após o ato podem indicar uma cistite, que é uma infecção e/ou inflamação da bexiga, em geral causada por bactéria (infecção urinária). Como a bexiga fica muito próxima à vagina, quando há infecção, o contato contínuo na relação pode piorar a dor na relação sexual.


4-Candidíase

A candidíase em geral está associada ao corrimento branco, às vezes com coceira, e bastante dor na relação sexual. Esta infecção é causada pelo crescimento excessivo de um tipo de fungo denominado Candida albicans. Esse fungo é normalmente encontrado em pequenas quantidades na vagina, não causando qualquer sintoma.

No entanto, certos medicamentos e problemas de saúde podem favorecer o crescimento. Embora a candidíase não seja considerada uma DST (doença sexualmente transmissível), ela pode ser transmitida por meio do contato sexual, para as genitálias e a boca.

Geralmente a candidíase vaginal causa dor de penetração.


5-Vaginismo

O principal sintoma do vaginismo é a dor durante a tentativa de penetração – seja de pênis, dedos ou outros objetos. Muitas vezes encarado como “frescura”, o vaginismo tem cura e merece atenção.

A dor é causada porque o assoalho pélvico, em um espasmo muscular, fecha a região em volta da vagina. Essa musculatura, ao contrair, impede a penetração. A tentativa machuca e então dói. Essa contração é feita de maneira involuntária. Motivos fisiológicos ou psicológicos podem gerar esta disfunção. Mulheres que tiveram uma educação muito rígida e religiosa, em que a virgindade é muito valorizada, ou o medo de engravidar podem desenvolver o vaginismo. Traumas e abusos também podem estar relacionados ao distúrbio.

O tratamento, na maioria das vezes, está associado à terapia realizada por uma série de profissionais, muitas vezes em conjunto (ginecologista, fisioterapeuta, sexólogo e psicólogo). O importante é não ter vergonha de conversar com o parceiro nem com o médico sobre o assunto. Procure a orientação necessária, faça os tratamentos de acordo com cada causa e aproveite uma vida mais feliz e prazerosa e sem dor na relação na relação sexual.

 

Dor na relação sexual não é normal. A falta de um diagnóstico correto, e consequentemente a falta de um tratamento adequado, pode levar a sequelas importantes na vida social de uma mulher. Por isso, se você se identificou com algum desses sintomas, procure um ginecologista de sua confiança para uma avaliação adequada!

Guia da Mulher Adulta Download Powered by Rock Convert
Dr. Tomyo Arazawa

Dr. Tomyo Arazawa

Me formei em Medicina na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Após a faculdade, fiz Residência Médica e especialização e Ginecologia e Obstetrícia no Hospital das Clínicas da FMUSP. Fui Médico Preceptor (chefe dos residentes) da Disciplina de Ginecologia da FMUSP logo após o término da residência médica. Me especializei em cirurgias minimamente invasivas, tais como cirurgias laparoscópicas, histeroscópicas e cirurgias robóticas. Hoje minha dedicação está voltada a atenção, assistência e estudos a pacientes com dor pélvica e especialmente endometriose.

1
Olá! Posso te ajudar com alguma dúvida sobre agendamento de consultas?
Powered by