Ginecologia e Obstetrícia

Como é feita a cirurgia para incontinência urinária?

cirurgia para incontinência urinária

A incontinência urinária ao esforço, caracterizada pela perda involuntária de urina durante um ato de força (tossir, espirrar, carregar peso e até levantar-se da cama), é um problema que atinge cerca de 10 milhões de brasileiros, em todas as idades, e é duas vezes mais recorrente em mulheres.

O maior impacto na vida de quem sofre com a doença é o constrangimento, já que ela limita algumas atividades diárias, como fazer exercícios e até subir e descer escadas, pelo medo de perder urina. Muitas mulheres só saem de casa com absorvente ou com várias calcinhas na bolsa, para não ficarem com a roupa molhada.

Os fatores de risco para o surgimento da condição têm relação com o número de gestações, a menopausa, a obesidade e a “queda” de órgãos como a bexiga e o útero.

Descubra, a seguir, como solucionar esse desconforto com a cirurgia para incontinência urinária feminina.

Como é feita a cirurgia para incontinência urinária  

Conhecida por cirurgia de sling, o procedimento Tension Free Vaginal Tape (TVT) consiste na introdução de uma fita de polipropileno, via vaginal, abaixo da uretra, com o objetivo de dar maior sustentação à uretra e reduzir as eventuais perdas de urina. Dessa forma, o períneo ganha um reforço extra.

A operação é feita com anestesia raquidiana ou geral, preferencialmente em centro cirúrgico (embora seja possível, mas pouco frequente, a realização ambulatorial com anestesia local).

Os cortes realizados são de 1,5 cm na vagina (na região abaixo da uretra) e de 0,5 cm na raiz da coxa ou acima da pube (dependendo do tipo de faixa utilizada). O procedimento tem duração média de 20 minutos e a paciente geralmente recebe alta no mesmo dia ou no dia seguinte.

Apresenta cerca de 80% a 90% de chances de sucesso. Porém, é importante que a paciente seja orientada sobre outras formas de tratamento para incontinência urinária, como fisioterapia e os exercícios de Kegel. Essas técnicas podem ser definitivas, evitando a cirurgia ou ajudando no processo de cura antes e após a operação.

Os exercícios de Kegel são realizados para fortalecer os músculos do assoalho pélvico. O recomendado é que eles sejam praticados, no mínimo, três vezes ao dia. Outra alternativa é a melhora da atrofia genital com hormônio via vaginal ou laser. A perda de massa corporal, para pessoas com sobrepeso ou obesidade, também pode contribuir para a melhora do problema.

Recuperação da cirurgia de sling

O pós-operatório demanda alguns cuidados específicos, visto que a recuperação pode levar de um a três meses, dependendo de cada paciente. As principais recomendações são:

evitar esforços como abaixar, carregar pesos de mais de 4 kg, subir e descer escadas e levantar-se bruscamente por, pelo menos, 15 dias;
não realizar exercícios físicos intensos e não arrastar móveis por aproximadamente 60 dias;
ingerir alimentos ricos em fibras (para diminuir a força necessária para evacuar);
prevenir-se de gripes e evitar tossir ou espirrar por um mês;
não usar absorvente interno;
não manter relações sexuais por, no mínimo, 40 dias;
lavar a região genital, depois de urinar ou evacuar, com água e sabonete neutro;
utilizar calcinhas de algodão;
não entrar em piscinas, banheiras ou no mar para evitar contaminações.

Riscos da cirurgia para incontinência urinária

Embora a operação seja pouco invasiva, ela ainda pode causar as complicações passíveis de ocorrer em qualquer procedimento cirúrgico, como sangramento e infecção. Outro risco é que a tensão da fita pode resultar na incapacidade de esvaziar completamente a bexiga, levando à retenção urinária. É possível, também, o aparecimento de uma infecção urinária.

Converse com seu médico a respeito da melhor opção de tratamento para o seu caso, uma vez que ele é o único capaz de dizer, com precisão, o que se encaixa melhor em suas necessidades e particularidades.

Essa decisão depende de vários fatores e da gravidade do quadro. Por isso, é importante marcar uma consulta para que o profissional faça uma avaliação completa.

Guia da Mulher Adulta Download Powered by Rock Convert
Lilian Fiorelli

Lilian Fiorelli

Formada pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Fez residência médica em Ginecologia e Obstetrícia no Hospital das Clínicas da FMUSP, onde também se especializou em Uroginecologia e Sexualidade Humana.

1
Olá! Posso te ajudar com alguma dúvida sobre agendamento de consultas?
Powered by